COM O TEMPO UMA IMPRENSA CÍNICA, MERCENÁRIA, DEMAGÓGICA E CORRUPTA, FORMARÁ UM PÚBLICO TÃO VIL COMO ELA MESMO

Joseph Pulitzer

sexta-feira, 6 de janeiro de 2017

Conselho de Segurança da ONU está a estudar a aplicação de sanções a políticos da G-Bissau pela não implementação do Acordo de Conacri

A medida está a ser estudada no seguimento da Cimeira da CEDEAO em Abudja, Nigéria, na qual esta organização reconheceu que a crise política em Bissau não foi resolvida com a nomeação de Umaro Sissoko para o cargo de Primeiro Ministro a meio de Dezembro último.


Logo após a nomeação de Sissoko para o lugar de Primeiro Ministro, o PAIGC veio a público referiu que não aceitava esta escolha, uma vez que nas reuniões mantidas em Conacri o nome de consenso aceite por todos os participantes foi o de Augusto Olivais, ex-Secretário Geral do partido.

Alpha Condé, Presidente da Guiné-Conacri e mediador internacional da crise guineense, deverá apresentar em breve o relatório final da Cimeira de Abudja aos membros do Conselho de Segurança. Se o documento referir o nome de Augusto Olivais como a escolha consensual em Conacri, o Conselho de Segurança irá estudar a possibilidade de aplicação de sanções políticas contra grupos ou indivíduos, entre os quais o próprio Presidente José Mário Vaz, que impeçam a resolução do impasse político guineense pela aplicação do referido acordo.

O comunicado final da Cimeira de Abudja deixa em aberto a possibilidade de que a escolha de Sissoko não tenha sido consensual entre os actores políticos em confronto, nomeadamente o PAIGC e o grupo dissidente dos 15 e o partido da oposição PRS. A escolha de um Primeiro Ministro de consenso era uma das condições do Acordo de Conacri, a par da nomeação de um Governo que respeitasse as forças políticas no Parlamento e a reintegração no PAIGC do grupo de dissidentes.

O actual Governo de Umaro Sissoko é composto por elementos oriundos do PRS, segundo partido mais votado nas últimas legislativas, por elementos do grupo dissidente do PAIGC, e por elementos de outras formações políticas.



Sem comentários:

Publicar um comentário