COM O TEMPO UMA IMPRENSA CÍNICA, MERCENÁRIA, DEMAGÓGICA E CORRUPTA, FORMARÁ UM PÚBLICO TÃO VIL COMO ELA MESMO

Joseph Pulitzer

segunda-feira, 28 de março de 2016

Assinalado um ano, das esperanças violadas

Assinalado na sexta-feira o primeiro aniversário da conferência de doadores em Bruxelas. Um ano depois os mais de mil milhões de euros prometidos não estão a ser direccionados para a execução do Plano Operacional, devido à instabilidade política.


Baptizado com “Terra Ranka”, o plano estratégico operacional para o desenvolvimento expressava uma nova era positiva do país, mas há muita incerteza em virtude da crise política actual.

Em Bruxelas, num encontro em que a Guiné-Bissau esteve representada pelo Presidente da República, José Mário Vaz, e pelo então Primeiro-Ministro Domingos Simões Pereira, 16 países assumiram na altura ajudar o financiamento dos projectos apresentados pelas autoridades bissau-guineenses, alguns a título de empréstimo e outros em doações.

Hoje, não obstante o Governo ter afirmado que para o efeito do desembolso dos fundos prometidos conseguiu assinar acordos com oito dos 16 parceiros que assumiram o compromisso, o cenário é algo complicado.

O quadro político vigente representa, de alguma forma, um dos obstáculos ao desembolso dos fundos prometidos e consequente execução do plano operacional “Terra Ranka”, segundo fonte governamental.

A Guiné-Bissau mergulhou numa crise político-institucional desde que o Presidente da República demitiu, em Agosto de 2015, Domingos Simões Pereira do cargo de primeiro-ministro.

O confronto político entre Mário Vaz e Domingos Pereira, também presidente do Partido Africano para Independência da Guiné e Cabo Verde (PAIGC), no Governo, extravasou para a Assembleia nacional Popular (Parlamento) e a tem impedido de funcionar.
 
 
 

Sem comentários:

Publicar um comentário