COM O TEMPO UMA IMPRENSA CÍNICA, MERCENÁRIA, DEMAGÓGICA E CORRUPTA, FORMARÁ UM PÚBLICO TÃO VIL COMO ELA MESMO

Joseph Pulitzer

sexta-feira, 16 de setembro de 2016

Sentença de ex-chefe de Estado-Maior da Armada da G-Bissau adiada para 4 de outubro

O tribunal de Nova Iorque que está a julgar o ex-chefe de Estado-Maior da Armada da Guiné-Bissau Bubo Na Tchuto, que confessou crimes de tráfico de droga em maio de 2014, adiou a leitura da sentença para 04 de outubro.


A sentença deveria ser conhecida a 29 de setembro, mas o juiz aceitou o pedido de adiamento do advogado de defesa de Na Tchuto, Patrick Joyce.
"O nosso gabinete apenas recebeu o relatório pré-sentença com as revisões definitivas a 06 de setembro. Para preparar para a sentença, preciso de reunir-me com o meu cliente para rever o relatório e, como ele apenas fala crioulo português, tenho de coordenar esta visita com o tradutor", justificou o advogado na carta ao juiz, consultada pela Lusa.

Com a leitura da sentença marcada sem o caso ir a julgamento, é certo que o ex-militar guineense negociou um acordo com a acusação, como já acontecera com outros acusados no mesmo caso.
Bubo Na Tchuto foi capturado pelos Estados Unidos numa ação antidroga em 2013 e confessou os crimes no ano seguinte, bem como outros três homens que foram detidos com o guineense.
No entanto, ao contrário destes outros homens, que conheceram a sua sentença meses depois de confessarem, o ex-militar ainda não foi sentenciado e o seu caso está selado no tribunal onde decorre.
Na altura da confissão, uma fonte ligada ao processo disse à Lusa que o ex-militar tomou essa decisão para conseguir uma redução da pena, que pode ir até à prisão perpétua.

Tchamy Yala foi condenado a cinco anos de prisão, Papis Djeme foi condenado a seis anos e meio de prisão e Malam Mane Sanha já cumpriu os 36 meses de pena e foi deportado no final do ano passado para Portugal, por ter nacionalidade portuguesa e guineense, mas ter usado o passaporte português no processo de deportação.

Em abril de 2103, Na Tchuto e os companheiros foram detidos em águas internacionais, ao largo de Cabo Verde, por uma equipa da agência de combate ao tráfico de droga norte-americana.

Segundo a acusação, Na Tchuto cobrava um milhão de dólares norte-americanos por cada tonelada de cocaína da América do Sul recebida na Guiné-Bissau.



Sem comentários:

Publicar um comentário