COM O TEMPO UMA IMPRENSA CÍNICA, MERCENÁRIA, DEMAGÓGICA E CORRUPTA, FORMARÁ UM PÚBLICO TÃO VIL COMO ELA MESMO

Joseph Pulitzer

terça-feira, 31 de março de 2015

Quem foi Fernando Jorge da Silva Bidinte

Seu nome era Fernando Jorge da Silva Bidinte, e o mundo da arte o conhecia por seu nome do meio, uma alegria contagiante, a música vibrante ensolarado e, talvez, um dos mais belos sorrisos do mundo. Aquele sorriso parou iluminando desde quinta-feira passada um problema cardiovascular terminou sua vida de repente.


Nascido na ilha de Bolama, Guiné-Bissau, 7 de janeiro de 1963, Bidinte aterrou em Madrid, no início dos anos noventa. Ele veio para dar um concerto, depois de passar três anos em Lisboa. Quis o destino que tem que ficar em uma cidade para os dias abertos ao mundo e que acolheu músicos de outras latitudes, como Rasha, Las Hijas del Sol, Wafir, Seydu, Baron Ya Buklú ou Thiossane irmãos também da África, ou Gema e Pavel, ou Dark Havana (Habana Abierta então) do Caribe. Um prato de camarão fez mudar de compreensão da música, e como um guitarrista que também foi excelente percussionista, compositor e cantor, começou a atravessar os ritmos e melodias de seu país com uma guitarra flamenco subtil e evocativa. Há registos como Kumura e Irã di Fanka de, a solo ou grupo com faixa preta em sinal de seu enorme talento e altura compositora.

Foi alegria personificada. Prosperou na adversidade, como demonstrado desde muito pequeno para escolher a música como uma vocação, dada a oposição de sua família e seus constantes negativas pai. Os problemas que tive com a papelada no início de vida em Madrid ou irritação ocular eterno não o desencorajou a continuar cantando e gigging. Vitalidade e simpatia que não era incompatível com o espírito solidário e construtivo.

Depois de mais de 15 anos estável na capital, enquanto vivia entre Almendralejo (Badajoz), Madrid e longas estadias em Bissau, onde colaborando ensinar as crianças a entrar na música e instrumentos realizados em cada viagem ele doou seus amigos na Espanha. Ele tinha duas filhas, Alana e Awinnie de um primeiro casamento com uma colega, em Lisboa; e outro, Lua, Trueba Mary, filha do falecido escultor Máximo Trueba, irmão de cineastas de renome, David e Fernando. A María Trueba dedicou para separar uma de suas mais belas canções, Boneca di oss (Bag of Bones). Alana é, por enquanto, o único que seguiu o exemplo, embora o seu é o excelente alma cantar combinação Cosmosoul Madrid.

Preparado nos dias de hoje com o seu amor de Madrid, dramaturga e actriz Mercedes Lezcano, o show Vamos falar sobre a África, que queria marca juntos este ano na programação Summers da Villa em Los Jardines de Sabatini, tão perto da casa que partilhavam .

15 anos Bidinte viajou para os acampamentos de refugiados saharauis para participar do Festival do Saara no Coração. Essa experiência o inspirou após outra bela canção, locais de acampamento, dedicado, por extensão, a todos os exilados africanos. Ele compartilhou barraca lá com o grande Rosendo, o roqueiro Carabanchel, em seguida, convidou-o a tocar guitarra em um de seus álbuns.

Ele também era um sideman do cantor Luis Pastor. No último Carnaval foi dar concertos Salvador de Bahia (Brasil), com Milton Nascimento. Ele morreu em Bissau, cercado por sua família, enquanto se prepara o lote de concertos a ser oferecido em poucos dias na ilha guineense de Bubake. Seu sorriso vai ficar na memória de muitos corações partidos estes dias.

(Bidinte, em setembro de 2004 en Madrid - foto Bernardo Pérez)

Sem comentários:

Publicar um comentário