COM O TEMPO UMA IMPRENSA CÍNICA, MERCENÁRIA, DEMAGÓGICA E CORRUPTA, FORMARÁ UM PÚBLICO TÃO VIL COMO ELA MESMO

Joseph Pulitzer

terça-feira, 29 de outubro de 2013

Nós e o pesadelo da desagregação estrutural da Nação


“Nós e o pesadelo da desagregação estrutural da Nação”

 

A desagregação estrutural de uma Nação compadece com o servilismo, laxismo, clientelismo e desorganização do aparelho “Estado e Administração Pública” e não com os objetivos de unificação que se pretende, tendo em conta os valores morais, ética e política, competência, meritocracia e reconhecimento, conceitos esses que deveriam ser transversais à sociedade civil e à classe política.
De facto, é deveras preocupante, mas também interessante, assistir as tomadas de posições no exercício de separação da Nação em “metades”, em “prós e contras”, em “alas A e B” etc., como se estivéssemos a falar de propriedade privada de alguém, a quem compete decidir como gerir o seu próprio património e a quem dela faz parte na tomada de decisão.
A nação Guineense, independentemente da dimensão territorial e populacional, é maior do que meras palavras de circunstâncias e da defesa exclusiva e singular da expressão, razão ou fundamento patriótico, pois ela mesma é a essência do povo que a constitui e lhe dá vida, ou seja, a multiplicidade e complexidade das relações que lhe são subjacentes como um todo indivisível.
Portanto, olhar para este campo na defesa intransigente de uma ideia ou opinião, de quem entende como se deve manifestar-se face a legitimidade do poder democrático, deve acentuar-se no complemento dos princípios da liberdade de opinião, aliás, este um direito consagrado não só pela constituição como também pela liberdade que nos carateriza como homens providos de faculdades mentais e intelectuais.
O exercício de atividade política e de cidadania têm os seus pressupostos assentes na garantia de participação de todos num único processo democrático, sempre na lógica do bem comum, salvaguardando, como é óbvio, a honra de todos. Portanto, devemos procurar não inflamar as nossas angústias quando temos a certeza de que a mágoa será ainda maior para quem já não suporta mais a dor.
Julgo que, na qualidade de cidadão guineense posso, com humildade, questionar, na verdade, até que ponto não tem havido medição de forças, entende-se “beligerantes”, nas tomadas de posições radicais, quando o mesmo carece da legitimação de todos nós, tais como políticos, comentadores, analistas, jornalistas, bloguistas, fazedores de opinião pública, etc., com reflexo no País?
Pressuponho que a democracia, cidadania e convivência sã e pacífica é sinónimo de respeito e consideração mútua, tendo sempre em conta as convicções e opiniões dos outros, respeitá-las e tomá-las como um excelente contributo. Na verdade, é de salutar o debate de ideias com pessoas que partilham as mesmas causas de que é senão a Guiné-Bissau como uma Nação de todos nós. Aliás, quando falo na Nação, estou a utilizar um conceito que só por si já existe e não se pode mudar, não há como fugir, de que a Guiné-Bissau é efetivamente uma Nação e não restam dúvidas. Entender a Nação é ter a consciência que não existe destino para além daquele que nós fizermos.
Julgo que o essencial neste momento, acima de tudo, é demonstrar aos atuais responsáveis do País que é importante evoluírem para um novo estágio, dotar os recursos necessários para se proceder a realização das eleições quanto antes. A Guiné-Bissau merece a interrogação da sua gente, dos que querem uma verdadeira revolução, aquela que é feita com sabedoria e tranquilidade, mas também com um desígnio, pois os propósitos que caraterizam um povo é a sua alma e vontade de caminhar no fulgor da sua essência.
Se tivermos que sacrificar é melhor fazê-lo servindo algo maior que nós próprios! LV
Luís Vicente
Lisboa, 28 de Outubro de 2013


Sem comentários:

Publicar um comentário