COM O TEMPO UMA IMPRENSA CÍNICA, MERCENÁRIA, DEMAGÓGICA E CORRUPTA, FORMARÁ UM PÚBLICO TÃO VIL COMO ELA MESMO

Joseph Pulitzer

sexta-feira, 5 de fevereiro de 2016

Ablações na GBissau, continuam impunes

Na Guiné-Bissau eles só vieram a tribunal dois casos desde 2011. O Protocolo à Carta Africano dos Direitos Humanos e dos Povos, conhecido como Protocolo de Maputo, levou vários países africanos a criminalizar a mutilação genital feminina, nos primeiros anos do novo século.

 
No entanto, países como a Guiné-Bissau continuam a mostrar altas taxas de ablações entre as mulheres, principalmente por causa de "tradições" de certas tribos que não entendem a lei.

Charlotte Alvarengo, especialista do Plan International para a Guiné-Bissau, é muito clara: "Temos de trabalhar para além da lei." E no país onde se trabalha com os dados de ablações das ONG são alarmantes, já que metade das mulheres são vítimas desta prática.

Embora a mutilação genital feminina seja proibida por lei na Guiné-Bissau, o fato é que desde setembro de 2011, quanto à actuação da lei que pune as ablações - apenas sete casos relatados. Neste país existem áreas tais como Bafatá, um dos mais rurais-áreas onde as mulheres sofrem a ablação que chega a 90% do total.

Estas taxas elevadas são dadas, especialmente em lugares onde as tribos da pratica e seu modo de vida é completamente desprovida da legislação.



Sem comentários:

Publicar um comentário