COM O TEMPO UMA IMPRENSA CÍNICA, MERCENÁRIA, DEMAGÓGICA E CORRUPTA, FORMARÁ UM PÚBLICO TÃO VIL COMO ELA MESMO

Joseph Pulitzer

quarta-feira, 16 de dezembro de 2015

Espiões Marroquinos na Europa sob o pretexto de combater o terrorismo

Segundo algumas fontes, os serviços de inteligência europeus presentes em Marrocos (incluindo CNI espanhol) já “informaram os seus governos da tendência de inteligência marroquina para penetrar nos círculos religiosos ”. No entanto, o Ministério espanhol dos Negócios Estrangeiros dirigido pelo Sr. Margallo simplesmente fechou os olhos, à espera de algum acontecimento.

 

França, por seu lado encarrega-se da formação dos Imames magrebinos dirigidos pelo Sr. Mansouri desde Marrakech. Muito diferente reagiu, por exemplo, o Governo italiano, onde cerca de cinquenta imames marroquinos que praticam em mesquitas na Itália e que tinha participado no ano anterior (juntamente com outros noventa que actuam em Espanha) num seminário organizado oficialmente pelo Ministério de Assuntos Religiosos, mas, na verdade, concebido por serviços Yassin Mansouri em Marrakech, foram questionados pelas autoridades italianas no seu regresso de Marrocos.
 
Dos cerca de setecentos mil muçulmanos que vivem na Itália, cerca de um terço é Marroquino e, apesar do regime de Rabat ter criado em 2005, uma base de subsídios milionários, uma Confederação da comunidade Marroquina na Itália com o objectivo de diminuindo o crescimento do radicalismo islâmico dentro dessa comunidade, os imames resistem à pressão dos serviços de inteligência marroquinos, preferindo estabelecer boas relações com as autoridades em Roma, por forma a uma melhor integração dos seus compatriotas.
No país vizinho, Holanda, a comunidade Marroquina reagiu furiosamente contra a viajem de quarenta imames e homens de religião a Marrocos para participar numa conferência de doutrinação, onde os serviços de espionagem de Rabat emitirão directrizes para os ensinar a agir e a obter informações no seu país de residência.
É uma interferência do regime de Mohamed VI contra a liberdade religiosa na Holanda, como informa a Associação dos países Holandês de origem Marroquina: “A nossa comunidade na Holanda – declara a Associação num comunicado – é capaz, por si só, de interpretar textos sagrados sem a ajuda de funcionários de Mohamed VI “. Suspeitam que Rabat utiliza o medo do extremismo religioso como uma desculpa para manipular a comunidade de emigrantes.

Além disso, um relatório do AIVD, o serviço secreto Holandês, revelou que alguns de seus agentes passavam informações confidenciais à DGED, a espionagem exterior Marroquina. O governo holandês protestou com o governo Marroquino que repatriou dois dos seus agentes,.
O caso da França é bem diferente, porque há longas e muito próximas relações, e uma tradição de colaboração entre os serviços secretos Franceses e Marroquinos. Além disso, há também uma antiga tradição de entendimento entre os dois governos.

Em vários países europeus é uma preocupação premente a infiltração de espiões marroquinas dentro das forças armadas. As autoridades de Rabat quiseram detectar os filhos de imigrantes Marroquinos, que defendessem a tese do islâmico violento, e sendo eles cidadãos europeus, seriam treinados dentro das forças armadas enquanto cumpriam o serviço militar. Homens DGED temem que, através desta “quinta columnismo”, futuros terroristas se alistem no exército, para completar a sua formação no uso de armas e tácitas militares.

Sem qualquer motivo sério de alarme, o Centro Nacional de Inteligência, com o apoio mais que provável da DGED Marroquina, também monitoriza as actividades de alguns soldados muçulmanos integrados no exército espanhol. Dentro de algumas unidades foi criado o cargo de “vigilantes”, ou seja informantes; uma função que assumem alguns militares muçulmanos que, discretamente, asseguram que sejam cumpridos os preceitos islâmicos em termos de comida e bebida. A oração de sexta-feira é respeitada estando autorizados a participar dessa oração sem quaisquer condições.

“A espionagem marroquina e os imames que são enviados para a Europa lutam para que o extremismo islâmico não se espalhe entre os migrantes – assegura um ex-agente instalado no sul da Andaluzia – no sul da Espanha.”


(Yasin Mansouri, chefe
da DGED)
 

Sem comentários:

Publicar um comentário