COM O TEMPO UMA IMPRENSA CÍNICA, MERCENÁRIA, DEMAGÓGICA E CORRUPTA, FORMARÁ UM PÚBLICO TÃO VIL COMO ELA MESMO

Joseph Pulitzer

quinta-feira, 7 de janeiro de 2016

Países africanos pedem à China para parar a pesca ilegal

Funcionários de 24 países africanos se reuniram em Camarões no mês passado e pediram à China para parar a pesca ilegal na costa Oeste Africano. Em algumas áreas, os pescadores chineses têm empurrado os pescadores locais de volta à costa, privando-os de seus empregos e meios de subsistência.


O ex-pescador Bisso Frederick, 32 anos, agora vende sanduíches na cidade camaronesa de Limbe, na costa Oeste Africano. Ele diz que ele e seus colegas foram forçados a abandonar seus postos de trabalho, há três anos.

Bisso diz que eles perderam os seus postos de trabalho para os pescadores chineses que tomaram todas as áreas de pesca. Ele diz que eles estão muito preocupados com o governo dos Camarões permitirem estrangeiros para fazer pequenos trabalhos que os camaroneses poderiam fazer.

Em um estudo de 2013, o grupo ambientalista Greenpeace informou que o número de barcos de pesca chineses que operam em águas africanas subiu de 13 em 1985 para 462 em 2013.

O relatório disse que havia 114 casos de pesca ilegal ao longo de um período de oito anos nas águas ao largo Gâmbia, Guiné, Guiné-Bissau, Mauritânia, Senegal e Serra Leoa. Informam que os barcos estavam operando sem licenças ou em zonas proibidas.

Amadi Diop, que está no comando do programa para a aquicultura e pesca na Nova Parceria Económica para o Desenvolvimento Africano diz que essa actividade ilegal está fazendo piscicultores africanos mais pobres e a destruir o meio ambiente.

Ele diz que a pesca gera anualmente 24.000.000.000$ no continente Africano e é ameaçado por pessoas que estão tomando muito mais peixe das águas africanas que podem ser substituídos por aqueles que permanecem, com a mudança climática. Ele diz que as pessoas que estão sofrendo mais são de pequena renda, de baixa tecnologia e de pequenos pescadores, agricultores de baixo rendimento que contribuem 46 por cento do total da receita gerada contra a pesca marítima industrial que contribui com 33 por cento.

O chefe da comissão regional para a pesca no Golfo da Guiné, Emile Essema, diz que o problema está piorando porque muitos países africanos não estão a investir nos seus sectores das pescas.

Ele diz que o sector da pesca ainda é negligenciada por muitos estados africanos e é por isso que chefes de Estado africanos estão sendo incentivados pela União Africana para dedicar recursos para impulsionar a piscicultura e da aquicultura. Ele diz que a pesca pode gerar riquezas, resolver crise alimentar e nutricional, proporcionar empregos para milhões de jovens desempregados e desenvolver nações.

A União Africana convocou uma reunião em Yaounde no mês passado para discutir a questão. Representantes dos Estados africanos foram chamados a dedicar mais recursos para a pesca e melhorar a vida de mais de 90 milhões de pessoas que estão envolvidos em "actividades de pesca em pequena escala."

Eles também pediram à China para abolir as práticas de pesca destrutivas e parar de tomar vantagem de zonas de pesca dos países africanos.
 
 
 
 
 

Sem comentários:

Publicar um comentário