COM O TEMPO UMA IMPRENSA CÍNICA, MERCENÁRIA, DEMAGÓGICA E CORRUPTA, FORMARÁ UM PÚBLICO TÃO VIL COMO ELA MESMO

Joseph Pulitzer

quarta-feira, 27 de janeiro de 2016

Homenageados na Assembleia Geral da ONU os sobreviventes do nazismo

ONU celebra aniversário da libertação do campo de extermínio de Auschwitz; Sir Nicholas Winton, que morreu no ano passado aos 106 anos é relembrado por diplomatas; ele resgatou mais de 600 crianças na República Checa.

O português Aristides Pereira, também facilitou a fuga de muitos prisioneiros.

Em janeiro de 1945 ocorria a libertação do complexo de extermínio de Auschwitz, na Polónia. Segundo o Memorial e Museu de Auschwitz-Birkenau, no local morreram mais de 1,3 milhão pessoas durante o regime nazista, a maioria judeus. Poloneses, povos Roma e Sinti, ciganos e prisioneiros de guerra soviéticos também faziam parte das vítimas.

Para marcar os 71 anos da libertação do campo de concentração, a Assembleia Geral da ONU promoveu um evento nesta quarta-feira. 27 de janeiro é o Dia Internacional em Memória das Vítimas do Holocausto.

Testemunho

A cerimónia "Holocausto e Dignidade Humana" homenageou sobreviventes como Marta Wise, que tinha apenas 10 anos quando foi resgatada de Auschwitz. Na Assembleia Geral, ela relembrou mais de 6 milhões de pessoas exterminadas durante o nazismo.

Marta Wise descreveu Auschwitz como o "mal encarnado", porque tudo no local era "malévolo". Emocionada, Marta afirmou ainda não saber como foi possível sobreviver, já que ela e outras crianças eram vítimas de experimentos diários e passavam fome e muito frio.

Ensinamentos

Outro homenageado pela Assembleia Geral foi o britânico Sir Nicholas Winton, que morreu no ano passado, aos 106 anos. Ele foi responsável pelo resgate de 600 crianças na República Checa durante a Segunda Guerra Mundial. Winton foi representado na cerimónia por sua filha Barbara.

No evento, o secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon, reafirmou que a forma mais eficaz de lutar contra a xenofobia e prevenir genocídios é educando as novas gerações sobre os horrores do Holocausto.

Ban também destacou que com o aumento do anti-semitismo e do ódio contra muçulmanos, é preciso fazer mais para defender os direitos desses povos.

As músicas da cerimónia foram tocadas por Antal Kopar, no violão, e por Bela Horvath, no violino. O evento foi apresentado pela subsecretária-geral da ONU para Informação Pública, Cristina Gallach.

... /// ... 

O Governo português comprometeu-se a "não deixar esquecer" o extermínio nazi e insistiu na necessidade de promover a educação sobre "este episódio tenebroso" para impedir que se repita, assinalando os 71 anos da libertação do campo de concentração de Auschwitz.

 

Sem comentários:

Publicar um comentário