COM O TEMPO UMA IMPRENSA CÍNICA, MERCENÁRIA, DEMAGÓGICA E CORRUPTA, FORMARÁ UM PÚBLICO TÃO VIL COMO ELA MESMO

Joseph Pulitzer

quarta-feira, 3 de fevereiro de 2016

6 de Fevereiro: Dia Internacional de Tolerância Zero à Mutilação Genital Feminina

Plan International informou hoje que em 2030 mais de 85 milhões de meninas podem sofrer mutilação genital feminina, uma prática tradicional comum em 29 países da África e do Oriente Médio que violam os direitos fundamentais das mulheres e meninas.


Para marcar o Dia Internacional de Tolerância Zero à Mutilação Genital Feminina, que é em 6 de fevereiro, a organização pediu aos governos para ratificar "um acordo firme e de longo prazo para acabar com a prática", dos quais 140 foram vítimas milhões de meninas e mulheres em todo o mundo, embora proibido por lei ou decreto constitucional na maioria dos países com maior prevalência.

O CEO desta organização na Espanha, Concha Lopez, argumenta que "a eliminação da mutilação genital feminina na próxima década deve ser uma prioridade para a agenda internacional. Se as leis não são aplicadas com firmeza e não os recursos necessários para a sua implementação são utilizados, o esforço será em vão. Com o compromisso da comunidade internacional, podemos pôr fim à mutilação genital em uma geração ".

Para obter o compromisso dos centros de decisão política, Plan International comemorou na sexta-feira 05 de fevereiro uma cerimónia na Assembleia de Madrid, com a participação do presidente da Comunidade de Madrid, Cristina Cifuentes; Presidente da Assembleia, Paloma Adrados; os porta-vozes dos grupos parlamentares representados no parlamento regional e especialista em mutilação genital Plan International Guiné-Bissau Alvarengo Charlotte.

Plan International trabalha para erradicar a mutilação genital feminina em países como Mali, Guiné-Bissau, Etiópia, Egipto, Serra Leoa e no Quénia, para aumentar a consciencialização contra a prática nas comunidades através de oficinas, palestras, materiais informativos e grupos de discussão para dar conhecer os riscos e consequências negativas da mutilação genital feminina.
 
 
 
 

Sem comentários:

Publicar um comentário