COM O TEMPO UMA IMPRENSA CÍNICA, MERCENÁRIA, DEMAGÓGICA E CORRUPTA, FORMARÁ UM PÚBLICO TÃO VIL COMO ELA MESMO

Joseph Pulitzer

quinta-feira, 11 de dezembro de 2014

A jihad no momento da narco-terrorismo no Sahel

As Nações Unidas e a International Business Times publicam novas estatísticas sobre os títulos que al-Aaeda no Magrebe Islâmico (AQMI) e outras formações terroristas por Sahel islâmico se formaram com os cartéis de drogas da América do Sul, principalmente das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (FARC). Um fenómeno recentemente nomeado "narcojihadismo" e que revela a verdadeira natureza do terrorismo islâmico.


De acordo com estimativas da ONU, cerca de 15% do preço de um grama de cocaína vai para os bolsos de AQIM e outros sinais de jihad, o que torna o tráfico de drogas uma importante fonte de renda dessas formações, juntamente com o sequestro com pedido de resgate. Além disso, os traficantes de drogas, armas e seres humanos (em dar o mesmo valor para os bens e tráfico de droga a vida humana e a jihad não é tão diferente do capitalismo) pagar os grupos terroristas que atravessar os territórios que controlavam cargas drogas, especialmente cocaína proveniente da América Latina. Ponto de chegada, a costa norte-Africano, passo crítico para o mercado europeu.

Para o transporte são utilizados companhias aéreas regulares, um método chamado Air cocaína, em rotas conectando Colômbia (e Peru) aos países africanos por governos instáveis e corruptos como a Guiné Bissau, Serra Leoa e Mauritânia. Dependendo do ponto de pouso, a área de actuação do narcojihadisti, portanto, se estende entre a Líbia, Níger, no sul da Argélia, Mali e Mauritânia. Desse torno da inteligência argelino escreve relatórios e inquéritos desde o início em junho de 2013, observando as tentativas de infiltração cada vez mais frequentes por traficantes de drogas e de armas, graças à segurança precária da região. Na semana passada, por exemplo, 51 traficantes de drogas de Chade, Níger e Sudão foram presos na fronteira com o Níger.

"São realmente grupos criminosos que se escondem atrás da religião" para o seu tráfico ", que matam usando drogas, bombas ou facas." É o que diz o fenómeno Mohammed Lalami, professor universitário argelina, que "a luta contra este flagelo vai exigir a cooperação dos países da região, em particular Marrocos e Argélia." Elementos que poderiam ser úteis para lançar luz sobre a rápida ascensão do controle económico e territorial de Daish (conhecido no Ocidente como ISIS) no Iraque e na Síria. Saida Swami, o presidente da associação da Argélia para a luta contra a toxicodependência, disse Magharebia website de informações que alguns de seus pacientes ", disse que os terroristas estavam usando entorpecentes e alucinogénos e distribuiu para os recrutas mais jovens."
 
 
 
 

Sem comentários:

Publicar um comentário