COM O TEMPO UMA IMPRENSA CÍNICA, MERCENÁRIA, DEMAGÓGICA E CORRUPTA, FORMARÁ UM PÚBLICO TÃO VIL COMO ELA MESMO

Joseph Pulitzer

terça-feira, 23 de dezembro de 2014

EAGB com 17 megawatts para fornecer luz e água na capital

A empresa Electricidade e Águas da Guiné-Bissau (EAGB) conta com 17 megawatts para o fornecimento de luz e água na capital guineense, num período de 12 meses. Este Domingo, 21 de Dezembro, o Governo recebeu das mãos da empresa da Escócia, «Aggreko», dez megawatts para complementar os sete que estavam em funcionamento na central eléctrica de Bissau.


Falando no acto da recepção, em representação do Chefe do Executivo, Mário Lopes Rosa, ministro dos Negócios Estrangeiros, disse que o acto é a concretização da promessa do seu Governo, que tinha garantido que até ao final de 2014 a capital passaria a ter mais 15 megawatts.

«Isso é correcto. Foi uma promessa do Governo e está a ser concretizada. É evidente que o país teve durante vários anos problemas de energia, e estamos convencidos, na véspera de Natal, que a maior prenda que o Governo poderá dar ao povo da Guiné-Bissau é esta dinâmica de energia que vai completar, no mínimo, os 17 megawatts. Isso é uma revolução autêntica na Guiné-Bissau» disse o governante.

Para o ministro da Energia, Florentino Mendes Pereira, a recepção de 10 megawatts é a prova de que o Governo está a trabalhar para a concretização das promessas feitas aos cidadãos de Bissau.

«Este projecto foi concretizado na sequência de um concurso público internacional que o Governo realizou. Entretanto a empresa ´Aggreko´ é que foi retida» disse o governante, tendo anunciado que o Executivo guineense, através do Ministério da Energia está, neste momento, a construir uma nova central eléctrica em Bôr, com 25 megawatts, e que durante 12 meses de funcionamento desses novos grupos de geradores recém-chegados vão ter a nova central concluída para fornecer luz e água em Bissau.

«Até ao final da Legislatura o Governo vai continuar a diligenciar, porque o nosso objectivo é construir uma central de 55 megawatts em Bôr», referiu.

Questionado sobre a falta dos contadores pré-pagos, Florentino Mendes disse «tudo o que diz respeito à parte comercial está a ser tratado. Daqui até Janeiro vamos receber cerca 11 mil contadores pré-pagos», avançou.


(foto: net)


Sem comentários:

Publicar um comentário