COM O TEMPO UMA IMPRENSA CÍNICA, MERCENÁRIA, DEMAGÓGICA E CORRUPTA, FORMARÁ UM PÚBLICO TÃO VIL COMO ELA MESMO

Joseph Pulitzer

segunda-feira, 22 de dezembro de 2014

Fuga de capitais ilegal impedindo o crescimento local sector empresarial

A saída consistente de recursos não licenciados, quer de mercadorias com base ou fiscal, da bolsa do país tem sido uma grande fonte de preocupação para as partes interessadas comprometidas em promover o seu crescimento económico.

Este fluxo em transito de financiamento é em grande parte evidente em áreas críticas como saúde onde a pesquisa revela que mais de 3.000 nigerianos buscando viagens intervenção médica para nação como a Índia para casos que vão desde o extremo a mundano.

Enquanto a chamada para níveis mais elevados de prestação de contas por parte dos funcionários do serviço público e da força de trabalho político - em uma tentativa de verificar a exibição flagrante de práticas de corrupção, bem como reduzir o envio de riqueza questionável a off-shore Contas de depósito - parece cair sobre surdos ouvidos, o impacto indireto refletido no baixo nível de industrialização, o custo exorbitante de poder e políticas econômicas rigorosas está tomando seu pedágio na sobrevivência das empresas indígenas.

Como parte de seu esforço para chamar a atenção e levantar vozes críticas em apoio a fontes alternativas de receitas para o desenvolvimento na Nigéria, ActionAid Nigéria organizou uma reunião de alto nível de dois dias destinada a construção de apoio no país para o Relatório de Thabo Mbeki Panel on Ilícito fluxos Financeiros para fora da África.
Esta cimeira, que faz parte da campanha de energia do imposto do ActionAid realizada de 11 a 12 de Dezembro de 2014, Lagos.

Falando durante o evento, Akioyamen Paul Osemudiamen, a manjedoura para a pesquisa e unidade técnica do Instituto Chartered de Tributação da Nigéria disse: "Há uma grande necessidade de abordar as questões de capital morto e fluxos financeiros ilícitos, especialmente na Nigéria, onde nossas reservas estão quase esgotados. O método que adotamos no passado não são sustentáveis e encontrar uma maneira de obter a riqueza para pagar tanto imposto como aqueles nas bases."

Corroborando esse ponto de vista, Tunde Aremu, a defesa de políticas e gerente de campanha para ActionAid postulou: "O que temos em curso no país no momento é um cenário onde as empresas multinacionais e outros investidores estrangeiros pagam quase nada em impostos devidos à muitos incentivos que são dados e também porque algumas dessas empresas têm encontrado uma maneira de esquivar o pagamento integral de seu imposto de valor.

"Enquanto que está ocorrendo, o nigeriano médio que está lutando para ganhar a vida enfrenta múltipla tributação com base nas políticas actuais e é forçado a pagar antes que eles possam fazer negócios e esta é uma situação de desequilíbrio. O relatório é importante porque aborda estas questões e fornece soluções sobre como parar a saída ilegal de finanças da Nigéria e da África como um todo ", afirmou.

Estudos têm demonstrado que a África actualmente perde uma média anual de US $ 50 bilhões em fluxos financeiros ilícitos.
Este montante ultrapassa o ajuda oficial ao desenvolvimento para a África, que foi 46,1 bilhões dólares em 2012.
Entre 1970 e 2008, a África perdeu mais de 854 bilião dólares em Ilícito Fluxo Financeiro.

De acordo com analistas, a recente queda do preço do petróleo e introdução de medidas de austeridade aumentou ainda mais a necessidade de planejamento financeiro sustentável baseado na tributação adequada e paralisação de transferência de fundos ilegais para fora do país.

O Painel de Alto Nível estabelecido pela União Africano é presidido por Thabo Mbeki, ex-presidente da África do Sul.

Outros membros incluem Carlos Lopes, o sub-secretário geral e secretário executivo da CEA (Guiné-Bissau); Zeinab Bashir el Baki, o ex-vice-presidente do Banco de Desenvolvimento da África (Sudão); Olusegun Apata, ex-embaixador e presidente da Coca-Cola Bottling Company (Nigéria), entre outros.
 

Sem comentários:

Publicar um comentário