COM O TEMPO UMA IMPRENSA CÍNICA, MERCENÁRIA, DEMAGÓGICA E CORRUPTA, FORMARÁ UM PÚBLICO TÃO VIL COMO ELA MESMO

Joseph Pulitzer

quarta-feira, 10 de dezembro de 2014

Roubar alimentos aos que passam fome - Direitos Humanos 10 Dezembro

A riqueza dos países ocidentais nos últimos séculos foi possível, em parte graças à colonização da África. Duzentos anos depois, vivemos em um novo assentamento, os operadores não estão mais sob regimes políticos, mas sob o domínio das transnacionais.


Hoje existem milhares de empresas, governos e caciques locais em países pobres que compram grandes extensões de terra para as culturas para exportação para os países ricos ou para agrocombustíveis. E o pior é que isso é feito em países onde a população passa fome, e na Guiné-Bissau. O fenômeno é chamado de "apropriação de terras".

O sistema está vendendo empresas que investem em desenvolvimento, quando a maioria dos casos produziu exatamente o oposto: as expulsões de terras agrícolas, abusos de trabalho, mudanças nos preços dos alimentos nos mercados locais, a erosão dos meios de vida, etc.

Desde 2000, a compra maciça de terra envolveu a venda de 83,2 milhões de hectares, o que representa 1,7% das terras aráveis do planeta. Para a maior parte, estas operações foram feitas desde 2008, quando o preço das matérias-primas, esquecemos, listados disparou.

Como hoje é o Dia Internacional dos Direitos Humanos (10 Dezembro), devemos comemorar o que ainda existe (embora muitas vezes no papel).
Eu não quero colocar-me de forma negativa. Organizações como a Aliança de Solidariedade, onde eu trabalho, promover campanhas contra a grilagem de terras e recolher as suas consequências, e promover as boas práticas. E também adicionar a movimentos como a Via Camponesa, que argumenta que o sistema de produção agro-ecológica de alimentos em pequena escala, é o que dá a melhor resposta para as demandas do presente e do futuro.

Como conseguir isso?

Primeiro, você precisa digitar o ponto de vista da coerência política no investimento em África. Embaixadas e câmaras de comércio não podem fechar os olhos diante dos impactos sociais e ambientais do nosso negócio, mas isso dá-lhes benefícios.

Além disso, é necessário mais trabalho em países que promovem leis de terra sobre o consentimento das comunidades afectadas antes de dar a terra aos estrangeiros. E que são cumpridos. Além disso, os tratados internacionais que afectam o investimento das empresas na aquisição de terrenos deve ter medidas punitivas em caso de violação de direitos. Até agora, é com o que conta é directrizes voluntárias.

Sendo rentável é o principal objectivo das empresas. O que não pode pagar, como sociedade, é que o enriquecimento de uns poucos à custa de perder os direitos de terceiros.

Hoje é o Dia Internacional dos Direitos Humanos seria bom lembrar esta frase de Gandhi: 
"O mundo é grande o suficiente para satisfazer as necessidades de todos, mas sempre será pequeno demais para satisfazer a ganância de alguns"

Você pode ajudar na luta contra a grilagem de terras aqui: www.donatierras.org


(Esta mulher é uma das mulheres das 320 na Guiné Bissau, pela primeira vez na história, donos da terra (Foto: Pedro Armestre)



Sem comentários:

Publicar um comentário