COM O TEMPO UMA IMPRENSA CÍNICA, MERCENÁRIA, DEMAGÓGICA E CORRUPTA, FORMARÁ UM PÚBLICO TÃO VIL COMO ELA MESMO

Joseph Pulitzer

domingo, 10 de janeiro de 2016

As cooperativas como modelo de negócio sustentável


Joan Ramon Sanchis, um membro do corpo docente da FUNIBER explica como o modelo de negócio permite que as cooperativas e desenvolvimento humano sustentável.


O negócio bancário tradicional têm sido desenvolvidos com o objectivo principal de aumentar o volume dos lucros, em alguns casos, perdendo o lado ético e interesse na pessoa. Mas um modelo diferente é possível. Joan Ramon Sanchis, Professor de Economia Empresarial e um membro do corpo docente no Mestrado Internacional em Administração de Empresas Cooperativa da FUNIBER, dois séculos atrás indica que as organizações a desenvolver no âmbito do modelo empresarial cooperativo, que para operar em um ambiente mais democrático e humano. O professor explica, então, a evolução e o desenvolvimento do modelo cooperativo.

FUNIBER colaborador indica que essas organizações vêm "para satisfazer as necessidades básicas das massas" sob a forma de cooperativas de consumidores e usuários, em seguida, "nascer uma segunda vez para apoiar o auto-emprego e empreendedorismo colectivo" a emergir cooperativas de trabalho.

As cooperativas actualmente "competindo no mercado com qualquer outro tipo de sociedade de capitais, mas ao contrário dos últimos direitos políticos e económicos de seus membros são dadas com base no trabalho e as pessoas, e não de acordo com o capital, que dá-lhes um carácter democrático e humano ", observa Sanchis. A tomada de decisão e repartição de benefícios em uma cooperativa leva em conta o trabalho individual, sendo esta, de acordo com o pesquisador, a principal diferença com outras formas jurídicas. Estas características-chave tornar-se-á em uma empresa modelo "é a base para um modelo de produção sustentável."

Um modelo que cria postos de trabalho


Cooperativas em todo o mundo empregam directamente mais de 250 milhões de pessoas e tem mais de um bilhão de membros como parceiros. O professor destaca que as cooperativas são caracterizados por anti-cíclico "porque geram emprego em tempos de crise", e eles são organizações resilientes, porque "são o tipo de empresas que destroem menos empregos e mais duradouras" em tempos difíceis. Neste modelo, Sanchis diz, são as cooperativas de trabalhadores, os que são geridos pelos seus próprios trabalhadores, cuja prioridade é a manutenção do emprego para seus empregados, criando empregos e qualidade estável.

O pesquisador afirma que "em alguns países como Argentina, Uruguai e Porto Rico, há um movimento importante para chamadas empresas recuperadas e geridas pelos trabalhadores. É sociedades de capital em crise que se tornam nas cooperativas de trabalhadores. Na Europa, durante a actual crise económica, estão a ser utilizados como uma ferramenta para evitar perdas de emprego ".

Compromisso social
Sanchis assegura que a responsabilidade social das empresas (RSE) é inerente à natureza das cooperativas, porque eles preconizam um modelo de gestão baseado em um "compromisso interno entre funcionários e parceiros, e um compromisso externo com os seus clientes e a sociedade" e acrescenta: "Ao contrário das empresas de capital, que usam a RSE como uma estratégia de marketing e reputação e imagem, as cooperativas RSC cumprem os seus objectivos sociais".

Mas a abordagem ao ambiente local por empresas vai além de certas medidas concretas para contribuir para a sociedade nas acções, na opinião do professor também deve haver "mudanças no modelo de negócio e a forma de trabalho pelas empresas, como as políticas de igualdade de género, a conciliação entre trabalho e vida familiar, ou inserção política de pessoas com dificuldades, entre outros. " Um aspecto importante da pesquisa é a diferença salarial "cooperativas mostram diferenças salariais 1-3 ou 1-6, enquanto as empresas do IBEX têm diferenças salariais que atingem 100 ou 150".

Cooperativas do mundo

Segundo diz Sanchis, 96% das cooperativas são PME e 50% são micro-empresas com menos de 10 trabalhadores. Trata-se, na maioria dos casos, pequenas empresas e é necessária a cooperação entre eles. "O sétimo princípio do ICA é o princípio da cooperativa inter-cooperação, através do qual estas empresas compartilham recursos e capacidades para enfrentar os desafios do meio ambiente e competir com sucesso nos mercados, conseguindo assim a sua finalidade social para a qual foram formadas ", observa o pesquisador.

Considera que as cooperativas são frequentemente empresas com um pequeno capital de que necessitam para a sua contribuição para o financiamento do projecto parceiros acreditam. Para o financiamento externo é usado para mercados bancários. Neste contexto, o professor destaca a existência de cooperativas de crédito (também chamados de bancos cooperativos), que são organizações especializadas para fornecer financiamento a outros tipos de cooperativas e mantêm acordos de cooperação com estes para assegurar a sua actividade económica.

As cooperativas têm um papel importante na economia de hoje. Sanchis afirma que 300 maiores cooperativas do "mundo facturado $ 2200000000000, equivalente à sétima economia do mundo. 50% da produção agrícola mundial é comercializado por cooperativas e cooperativas de crédito servem 857 milhões de pessoas. Nos países do G20 representam 12% da força de trabalho total. As cooperativas de crédito na Europa financiados quase 30% das PME e nenhum tinha de ser saudável durante a crise financeira."

Ambientes regionais e locais nessas empresas tem uma presença significativa. FUNIBER colaborador indica que "na França, as cooperativas geram quase um milhão de postos de trabalho. Na Alemanha, os bancos cooperativos tem mais de 16 milhões de membros e 35% das empresas são cooperativas. Na Itália, 50% do sector agro-alimentar é gerida por cooperativas, possui cerca de 35 mil cooperativas de serviços e representam 3,3% do emprego. " Na América Latina, essas empresas foi consolidado em países como Colômbia, Argentina, Uruguai e Brasil e, na opinião do investigador, eles tornaram-se um meio para promover a actividade económica e criar empregos.

Oportunidade de melhoria


Sanchis sublinha que o princípio da governação democrática é a chave para o sucesso das cooperativas, pois gera uma "forte motivação e envolvimento dos colaboradores e parceiros no plano de negócios". Por conseguinte, é essencial estabelecer papéis e responsabilidades claras e bem definidas através de uma estrutura organizacional adaptado às suas características e necessidades. "

O professor indica que as empresas cooperativas Há uma falta de gestão profissional e isso cria um problema de eficiência que torna o processo de direcção da organização. Por seu pequeno tamanho dessas empresas não têm gestores, e esta função é assumida pelo presidente do Conselho de Governadores "sem ter o conhecimento e as habilidades adequadas." Esta situação é comum e exige que os membros da equipe e do Conselho do BCE técnicos recebem cursos de formação especializada na gestão das empresas cooperativas de treinamento para que os trabalhadores recebam o conhecimento de "novas ferramentas de gestão de negócios, inovação, gestão do conhecimento A utilização das TIC e outras ferramentas úteis.

Formação profissional

Em um ambiente em que as cooperativas são relevantes para o desenvolvimento económico actual, FUNIBER oferece experiência internacional em gestão de empresas cooperativas Sanchis destaca:

FUNIBER, foi fundada com o objectivo de se tornar o MBA para as cooperativas, em uma ferramenta de treinamento para melhorar a sua capacidade de gestão e, assim, enfrentar os desafios do meio ambiente com maior garantia de sucesso. É uma abordagem global e integrada que visa proporcionar o conhecimento mais actual na área de Gestão e Administração de Empresas, a fim de aumentar a eficiência deste tipo de organização. Assim, a maioria das abordagens avançadas e conceitos teóricos com a aplicação desses conceitos em casos de empresas reais, com uma equipe de professores do negócio e conhecimento técnico para combinar perfil académico "combinado.

Joan Ramon observa que: "É uma oferta MBA especializado em empresas cooperativas, que ensina a usar as ferramentas de gestão de negócios no contexto das características e peculiaridades deste tipo de participação e onde as pessoas e mão de obra são fornecidos por organizações sobre o capital. Portanto, ética e responsabilidade social são dois elementos que aparecem transversalmente ao longo dos cursos de especialização. "

FUNIBER colaborador indica que esta competência é dirigida "a ambos, os profissionais e gestores actuais de cooperativas que precisam melhorar a sua formação, como recém-licenciados que estão a considerar a possibilidade de iniciar a sua carreira em uma cooperativa ou uma empresa social ".

(P.S. -  Cooperativismo é a doutrina que preconiza a colaboração e a associação de pessoas ou grupos com os mesmos interesses, a fim de obter vantagens comuns em suas actividades económicas. O associativismo cooperativista tem por fundamento o progresso social da cooperação e do auxílio mútuo segundo o qual aqueles que se encontram na mesma situação desvantajosa de competição conseguem, pela soma de esforços, garantir a sobrevivência. Como fato económico, o cooperativismo actua no sentido de reduzir os custos de produção, obter melhores condições de prazo e preço, edificar instalações de uso comum, enfim, interferir no sistema em vigor à procura de alternativas a seus métodos e soluções.)




 

Sem comentários:

Publicar um comentário