COM O TEMPO UMA IMPRENSA CÍNICA, MERCENÁRIA, DEMAGÓGICA E CORRUPTA, FORMARÁ UM PÚBLICO TÃO VIL COMO ELA MESMO

Joseph Pulitzer

sexta-feira, 8 de abril de 2016

Delegação guineense na IBICT

Na manhã desta quinta-feira (7), uma comitiva da Embaixada da Guiné-Bissau visitou o Instituto Brasileiro de Informação em Ciência e Tecnologia (Ibict) para buscar apoio na criação de um órgão semelhante ao Instituto no país.
 
A embaixadora Eugénia Saldanha e os assessores Helmer Araújo e Raimundo Andrade de Souza foram recebidos pela directora do Ibict, Cecília Leite, e membros das coordenações da estrutura organizacional da instituição. Entre eles, o coordenador-geral de Pesquisa e Desenvolvimento de Novos Produtos, Arthur Costa; a coordenadora-geral de Pesquisa e Manutenção de Produtos Consolidados, Lilian Alvares; o coordenador-geral de Tecnologias da Informação e Informática, Leonardo Lazarte; a gerente de projetos com fundações de apoio, Valéria Paiva; e o representante da Cooperação Nacional, José Carlos Cordeiro da Costa Junior.

A diretora Cecília Leite acredita que o Ibict possa levar a sua expertise para Guiné-Bissau na criação de um novo instituto de informação, pesquisa e inovação. “Acredito que participar do crescimento e desenvolvimento desse caloroso país, gerando maior qualidade de vida é um momento maravilhoso para nós”. Segundo Cecília, o Ibict tem amplo potencial técnico para realizar essa parceria junto ao país africano.

Na sequência, foram apresentados o vídeo institucional do Ibict e também uma maquete virtual da Biblioteca Nacional de Brasília, que teve o apoio do Instituto quando da sua criação. Os coordenadores apresentaram ainda produtos, serviços e projectos relevantes que estão sendo administrados no momento pela instituição.

A embaixadora Eugénia Saldanha falou da sua satisfação na possibilidade de parceria entre a Guiné-Bissau e o Ibict e fez um panorama actualizado das questões políticas e socioeconómicos do seu país de origem. “A Guiné-Bissau tem todo o interesse de crescer nesse domínio e, apesar de todas as suas carências, a criação de um instituto semelhante ao Ibict em nosso país seria uma inovação muito importante. Creio que os jovens, que formam a maioria da nossa população, se sentiriam muito incentivados”, explicou.

Ao final, foi solicitado ao Ibict uma proposta de projecto para que seja dado início a construção de uma infraestrutura informacional em Guiné-Bissau, a partir da criação de um instituto guineense de informação em ciência, tecnologia e inovação.
 
 
A diretora Cecília Leite e a embaixadora Eugénia Saldanha
 

Sem comentários:

Publicar um comentário