COM O TEMPO UMA IMPRENSA CÍNICA, MERCENÁRIA, DEMAGÓGICA E CORRUPTA, FORMARÁ UM PÚBLICO TÃO VIL COMO ELA MESMO

Joseph Pulitzer

sábado, 9 de abril de 2016

Dos mais concorridos o encontro de empresários portugueses em Bissau

Quase 100 pessoas, esta "foi talvez a participação mais elevada de empresários numa reunião promovida pela AICEP em países da Comunidade de Países de Língua Portuguesa (CPLP)", referiu o presidente da AICEP, Miguel Frasquilho, no final do encontro.


Entre empresários portugueses que já estão na Guiné-Bissau há décadas e outros que estão apenas de visita ao país, debateram-se ideias para fomentar negócios durante quase duas horas.

"Quem cá está percebe que a instabilidade [política] crónica da Guiné-Bissau não é adversa ao investimento e a um clima de negócios", realçou o embaixador de Portugal no país, António Leão Rocha.

O diplomata desconstruiu a má imagem que o país tem no exterior, tal como o fizeram outros participantes.

"É um sinal de relevo perceber que a actividade empresarial com a Guiné-Bissau está a prosseguir a um ritmo interessante, apesar de sabermos as dificuldades que existem", realçou Miguel Frasquilho.

O presidente da AICEP anotou pedidos para que interceda a favor da redução do preço de transportes de carga marítima e aérea entre Portugal e a Guiné-Bissau, depois de ouvir relatos sobre produtos portugueses que chegam mais baratos a solo guineense quando importados via outros países.

A criação de linhas financeiras de apoio às trocas comerciais com a Guiné-Bissau, tal como já existem entre Portugal e outros países da CPLP, e o reforço do aconselhamento jurídico aos empresários lusos foram outros dos pedidos.

No encontro, o embaixador de Portugal desafiou ainda os participantes a unirem-se num clube de empresários portugueses da Guiné-Bissau, por forma a ganharem mais força.

Sem comentários:

Publicar um comentário