COM O TEMPO UMA IMPRENSA CÍNICA, MERCENÁRIA, DEMAGÓGICA E CORRUPTA, FORMARÁ UM PÚBLICO TÃO VIL COMO ELA MESMO

Joseph Pulitzer

quarta-feira, 13 de abril de 2016

75% das empresas que investem em África com o Banco Mundial, estão ligadas a paraísos fiscais

Intermón Oxfam relatou como, em 2015, 51 das 68 empresas que receberam dinheiro do Banco Mundial para financiar investimentos em África sub-saariana, eles usaram os paraísos fiscais, sem, aparentemente, terem uma ligação directa à sua actividade principal.


"Não faz sentido para incentivar o investimento para contribuir para a erradicação da pobreza, se essas empresas privam os países pobres de receitas fiscais que lhes são devidos", acusou Intermón Oxfam.

Na verdade, 40% daqueles que cooperaram com a filial de investimento do Banco Mundial, a Corporação Financeira Internacional (IFC) clientes para trabalhar na região Africana tem mantido um relacionamento com o Panamá. 

Um conflito que afecta negativamente a área do continente: "A África Subsariana necessita desesperadamente de receita gerada pelo imposto sobre as sociedades para investir em serviços públicos e infra-estruturas", afirmou Intermón Oxfam.

Portanto, para a associação, o Banco Mundial não deve desviar o olhar: "O que nós pedimos é que seja consistente com as suas políticas e tomar critérios para monitorar mais de perto estas práticas" têm reclamado. A negociação de imposto que a entidade deve seguir uma vez que, de acordo com o chefe da Tax Justice Oxfam Intermón, Susana Ruiz ", não tem nenhum sentido para incentivar as empresas a investir para contribuir para a erradicação da pobreza e da desigualdade, se não pagam impostos nos países pobres".

O relatório da ONG também elucidou como em apenas cinco anos, a IFC, em vez de perseguir aqueles que se aproveitam dos benefícios do uso de paraísos fiscais, dobrou seu investimento nestas sociedades: passou de 1.200 milhões dólares em 2010 para 2.870 milhões em 2015.

Medidas para conter essas práticas

Com o objectivo pôr fim a que investimentos caiam nas mãos de empresas com ligações marítimas, Oxfam Intermón afirmou que empresas relatam "desagregado e publicamente sobre onde realizar todas as suas actividades, os benefícios gerados e os impostos pagos ". Uma alegação de que a Comissão Europeia vai esta semana discutir no Parlamento Europeu.

Quanto aos "deveres" que devem ter o Banco Mundial, a ONG pede um passo à frente do FMI e exige um trabalho "em coordenação" com os governos para promover "uma reforma do sistema fiscal internacional pôr fim à fraude e evasão fiscal das grandes empresas e grandes fortunas. " Enquanto isso, a IFC deve introduzir "novas medidas" para garantir que "só investe em empresas com um comportamento fiscal responsável."

Por tudo isto, Intermón Oxfam quer colocar a tónica porque "acabar com a pobreza e a desigualdade também significa a obtenção de impostos onde pertence, sem paraísos fiscais benefícios pagos".




Sem comentários:

Publicar um comentário